Material Publicitário
Novotel - Invista Itu - Fachada

Antes de aceitar a oferta, leia com atenção os fatores de risco, prospecto resumido e o estudo de viabilidade em DOCUMENTOS DO EMPRENDIMENTO.

Novotel - Invista Itu - Escritório

PERFIL DO MERCADO DE CONVENÇÕES

MERCADO DE VIAGENS CORPORATIVAS NO BRASIL:

  • Movimentou R$ 32 bilhôes em 2012.
  • Crescimento no último ano de mais de 12%.
  • Hospedagem representa 35% deste mercado.
  • Mais de 700 mil empregos.

*Fonte: ABEOC, 2013.

MERCADO DE EVENTOS NO BRASIL:

  • O mercado de eventos no país cresce cerca de 5% ao ano.
  • Mais de 590.000 eventos são realizados por ano.
  • Hotéis Fazenda e Resorts estão entre os dez espaços preferidos para a realização de eventos.

Fonte: II Dimensionamento Econômico da Indústria de Eventos no Brasil - 2013

MERCADO DE CONVENÇÕES NO ESTADO DE SÃO PAULO:

  • O Brasil ocupa a 7ª posição de destino de eventos internacionais.
  • O Estado de São Paulo é o primeiro destino de eventos internacionais do País*.
  • Os setores que mais movimentam o mercado de eventos são médico, científico, tecnológico, industrial e educacional**.

*Fonte: ICCA, 2012 **Fonte: São Paulo Convention e Visitors Bureau

RAIO X DO MERCADO DE HOTÉIS DE CONVENÇÃO AO REDOR DE SÃO PAULO:

  • 15 hotéis que somam aproximadamente 3.653 unidades.
  • Diária média de concorrentes primários: R$526.
  • 55% de ocupação.

Fonte: Pesquisa Caio Calfat Real Estate Consulting

ITU: LOCALIZAÇÃO
ESTRATÉGICA.

  • A 1 hora de carro de São Paulo.
  • Cercada por grandes polos empresariais, comerciais e industriais.
  • Facilidade de acesso pelas melhores rodovias do país: Castelo Branco, Raposo Tavares, Bandeirantes e Anhanguera.
  • 3 Aeroportos com grande circulação: Guarulhos, Congonhas e Viracopos.

Tráfego dos aeroportos do entorno do empreendimento:

  • 58,4 milhões passageiros em 2012*

*Fonte: Infraero

Antes de aceitar a oferta, leia com atenção os fatores de risco, prospecto resumido e o estudo de viabilidade em DOCUMENTOS DO EMPRENDIMENTO.


Algumas empresas do entorno:

Itu - Schincariol, Kia do Brasil, Hewlett Packard (HP), Lenovo do Brasil.

Campinas - Samsung, Honda, Bosch, Motorola, Natura.

Sorocaba - Quacker, General Motors, PepsiCo, Toyota.

Piracicaba - Caterpillar, Hyundai, Kraft Foods, Votorantim Papel e Celulose.

S. José dos Campos - Embraer, GM, Johnson & Johnson, Ericsson, Panasonic.

Santos - Petrobrás e Porto de Santos.

Jundiaí - Apple, Foxconn, Coca-Cola, Sony e Siemens

Fonte: Google Maps

Novotel - Invista Itu - Localização

Cidade de São Paulo

  • Mais de 60% das
    empresas multinacionais no Brasil.
  • 38% das 100 maiores empresas nacionais privadas.
  • 85% dos maiores bancos.
  • Mais de 50% das empresas de tecnologia.

Fonte: São Paulo Convention & Visitors Bureau.

Um hotel idealizado para atender o mercado de convenções e lazer.

O Centro de Convenções do Novotel Itu foi desenvolvido para atender as principais necessidades do mercado de convenções, com um projeto funcional, oferecendo estrutura e tecnologia para realização de eventos.

343 apartamentos para receber muito bem seus clientes.

COMPLETA INFRAESTRUTURA PARA ATENDER EVENTOS CORPORATIVOS E SOCIAIS.

MAIS DE 36 MIL M² DE TERRENO
Clique aqui e conheça a implantação e as plantas do projeto

NOVOTEL ITU CONVENTION CENTER.

EMPREENDIMENTOS NO ENTORNO

  • Hotel voltado para o Terras de São José Golf Clube, com um dos melhores campos de golfe do Brasil*, a 5 minutos da Jack Nicklaus Academy of Golf, a única unidade da América Latina. E ao lado do Centro hípico Terras de São José.

*Fonte: Golf Digest.

VOCAÇÃO DE LAZER

  • Lazer: finais de semana, férias, feriados, turismo em Itu, prática de esportes e golfistas.

(fluxo médio de 9 mil golfistas/ano)

LAZER

  • Piscina para adulto e infantil • Espaço In Balance com fitness center • Saunas • Salas de massagem • Sala de jogos • Playground • Espaço Family Novotel com brinquedoteca • Campo de futebol • Quadras de tênis • Trilhas de caminhada • Cerca de 20 mil m² de área verde

Terras de São José Golfe Clube.

Novotel - Invista Itu - Logo Accor

Você terá como parceiro no empreendimento o Grupo Accor, que é especialista mundial em hotéis e que tem um amplo portfolio de bandeiras no mundo todo com uma oferta variada que vai do luxo ao econômico.

Novotel - Invista Itu - Área de Eventos

AccorHotels no mundo

  • 45 anos de experiência em hotelaria.
  • Presente em 92 países, com 3.500 hotéis
    e 450.000 apartamentos.
  • Na América Latina, a AccorHotels opera 211 hotéis.

AccorHotels no Brasil

  • Líder de mercado.
  • Mais de 200 hotéis das diversas bandeiras: Sofitel, Novotel, Pullman,
    Mercure e Ibis entre outras.

Novotel no mundo

  • 400 hotéis com 75.000 apartamentos.
  • Presente em 60 países.
  • Na América latina, está presente no Brasil, Argentina, Peru, Chile e México.

Novotel na América latina

  • 17 hotéis e 2.308 apartamentos.

O Empreendimento é de utilização exclusiva como hotel e será locado a uma Operadora Hoteleira. É vedado o uso da unidade autônoma pelo comprador, inclusive para fins residenciais.

Novotel - Invista Itu - Pirâmide

Realizadores

Novotel - Invista Itu - Vista aérea

Grupo Solbrasil/PGC

Desde 1962, o Grupo Solbrasil/PGC desenvolve negócios imobiliários diferenciados que superam as expectativas de seus clientes. Com forte atuação no litoral de São Paulo, o grupo entregou mais de 30 empreendimentos na Riviera de São Lourenço, além de lançamentos no Guarujá e na Praia Grande.

Na cidade de São Paulo, desenvolveu o primeiro condomínio de casas geminadas de alto padrão (vencedor do Prêmio Master), edifícios comerciais e também o ibis Congonhas, marco da hotelaria paulistana.

Atualmente, o Grupo Solbrasil/PGC encontrou no interior de SP um potencial mercado, com lançamentos que foram sucesso de vendas como o ibis Jundiaí e o ibis Mogi das Cruzes.

Sua referência em qualidade de acabamento, estilo e inovação foi comprovada por meio do certificado ISSO 9001:2008, atestando seu elevado padrão de qualidade.

O Grupo Senpar Terras desenvolveu ao logo de 50 anos, uma história de pioneirismo e tradição. Na década de 70 apresentou ao mercado nacional um novo conceito de viver. Terras de São José, em Itu, foi o primeiro loteamento fechado do Brasil. Seu sucesso incentivou a empresa a construir dezenas de projetos similares no interior do Estado. A Senpar Terras Desenvolvedora Imobiliária também idealizou o Polo Serrazul, composto pelo Shopping Serrazul, loteamento fechado Fazenda Serrazul Santa Maria, Hotel Quality Resort Itupeva e Outlet Premium. O Grupo também vocacionou a área e, no mesmo local, empresas parceiras construíram os parques Hopi Hari e Wet'n Wild. O Polo Serrazul, forma o maior conjunto de empreendimentos turísticos da América do Sul, com a geração de quase 9 mil empregos na região de Vinhedo e cerca de 6 milhões de visitantes ao ano.

Tanto o loteamento Terras de São José quanto o Polo Serrazul receberam o prêmio Master Imobiliário pela FIABCI, em Paris (2005 e 2009, respectivamente). A preocupação com a sustentabilidade e o respeito ao meio ambiente também renderam ao Grupo Senpar Terras o reconhecimento da ONU- Organização das Nações Unidas, com a principal modalidade, Gold, de seu programa "Parceiros da Paz e da Sustentabilidade". Um projeto inovador como o Novotel Itu tinha mesmo que ter esta marca por trás.

Novotel - Invista Itu - Fachada
Novotel - Invista Itu - Logo Aflalo & Gasperini

Projeto de Arquitetura - Aflalo & Gasperini
Projeto de Paisagismo - Neusa Nakata Arquitetura Paisagistica
Projeto de Decoração de Interiores: Michaelis Arquitetos Associados

Antes de aceitar a oferta, leia com atenção os fatores de risco, prospecto resumido e o estudo de viabilidade em DOCUMENTOS DO EMPRENDIMENTO.

Antes de aceitar a oferta, leia com atenção os fatores de risco, prospecto resumido e o estudo de viabilidade em documentos do empreendimento.

  • 1 - Não há garantia de que o retorno financeiro atenderá às projeções inicialmente realizadas. O retorno financeiro do Empreendimento depende de inúmeros fatores, como a demanda por hospedagem na região e, mais especificamente, no hotel, a capacidade de praticar as tarifas de hospedagem pretendidas pela Operadora Hoteleira, o controle dos custos de manutenção e despesas do hotel de forma geral, e outros fatores, inclusive alguns alheios à vontade das Incorporadoras ou da Operadora Hoteleira, como a conjuntura econômica do País. Alterações de quaisquer desses fatores podem impactar no Empreendimento e prejudicar os seus resultados operacionais. Desta forma, não há garantia de que o retorno financeiro do investimento atenderá às projeções inicialmente feitas, inclusive as constantes do Estudo de Viabilidade do Empreendimento disponibilizado aos Investidores Adquirentes.

    Em caso de Resultado Líquido negativo, os Investidores Adquirentes não receberão Aluguel. Para mais informações sobre a remuneração dos Investidores, o Investidor Adquirente deve consultar a seção “Remuneração dos Investidores Adquirentes com o Empreendimento” deste Prospecto Resumido.
  • 2 - As Unidades Autônomas Imobiliárias Hoteleiras que integram o Empreendimento poderão ficar vagas e não gerar quaisquer rendas decorrentes de sua utilização. Poderá ocorrer uma baixa demanda por hospedagem no Empreendimento, por fatores diversos, incluindo qualquer circunstância que possa reduzir o interesse de visitantes na cidade ou região do Empreendimento, ou ainda, no próprio hotel, refletindo em uma redução da taxa de ocupação do hotel e, consequentemente, da receita gerada.

    A rentabilidade da operação hoteleira poderá sofrer oscilação relevante em caso de vacância de seus apartamentos, sendo que a baixa utilização das Unidades Autônomas Imobiliárias Hoteleiras que integram o Empreendimento, com a consequente ausência de receitas de hospedagem, poderá acarretar, inclusive, resultados negativos, com o impacto direto sobre a remuneração dos Investidores Adquirentes.
  • 3 - O Empreendimento será administrado por terceiros e eventuais deficiências nessa administração poderão afetar os resultados do Empreendimento. O Empreendimento será administrado pela Operadora Hoteleira, empresa especializada na administração de hotéis. Embora os Investidores Adquirentes possam se valer de ferramentas contratuais e legais que lhes permitam fiscalizá-la ou exigir o cumprimento de suas obrigações, não é possível assegurar que ela prestará seus serviços de modo plenamente satisfatório. Eventuais deficiências na oferta desses serviços, assim como a depreciação do Empreendimento, em função da não realização das melhorias, reformas e atualizações necessárias, ou riscos de imagem, relacionados à desvalorização da marca do hotel poderão impactar na operação e prejudicar os resultados do Empreendimento e, consequentemente, impactar negativamente a remuneração dos Investidores Adquirentes.
  • 4 - A operação hoteleira do Empreendimento pode apresentar prejuízos ou fluxos de caixa negativos por um período indeterminado. Para o exercício de suas atividades, a Operadora Hoteleira necessita de capital de giro. Caso a operação hoteleira tenha resultados negativos, e não havendo saldo de caixa, a Operadora Hoteleira poderá ser instada a realizar aportes de capital que visem cobrir Despesas Operacionais ou outros encargos do Empreendimento que não sejam de responsabilidade da Operadora Hoteleira. Nesse caso, a Operadora Hoteleira se tornará credora do Empreendimento, devendo ser ressarcida dos valores aportados, os quais serão abatidos do Resultado Líquido ou dos aluguéis seguintes, conforme o caso. Assim, caso sejam auferidos resultados negativos na forma descrita acima, a remuneração dos Investidores Adquirentes será impactada negativamente, devendo ser reduzida até a quitação do saldo devedor.

    Adicionalmente, durante o prazo estabelecido no Contrato de Locação, e exceto nos casos de inadimplemento ou destruição total do Empreendimento, o locador (assim entendido como as Incorporadoras, enquanto ainda houver Unidades Autônomas Imobiliárias Hoteleiras disponíveis para venda, e os Investidores Adquirentes em conjunto) não poderá rescindir antecipadamente o Contrato de Locação, sob pena de arcar com as penalidades detalhadas na seção “Contrato de Locação e Outras Avenças”.
  • 5 - Há risco de condenações em dinheiro em valor significativo em processos judiciais ou administrativos decorrentes da construção do Empreendimento e da exploração de sua atividade hoteleira. Eventuais processos judiciais e administrativos envolvendo reivindicações monetárias significativas, inclusive processos cíveis, trabalhistas, previdenciários, tributários, ambientais, ações civis públicas, ações populares, e outros, movidos contra a Operadora Hoteleira, ou da exploração da atividade hoteleira pela Operadora Hoteleira, poderão ter um considerável efeito negativo sobre o resultado financeiro do Empreendimento, inclusive decorrentes da construção do Empreendimento pelas Incorporadoras, ainda que de responsabilidade desta, com o consequentemente, impacto, nesse caso, sobre a remuneração dos Investidores Adquirentes.
  • 6 - O surgimento de novos concorrentes e/ou o fortalecimento dos concorrentes já existentes pode alterar a dinâmica do mercado. Conforme o Estudo de Viabilidade do Empreendimento, a cidade de Itu tem bons índices econômicos, contando com uma grande diversidade de comércio e serviços qualificados, com a presença de um shopping de referência regional – Plaza Shopping Itu – e grandes redes de supermercados e hipermercados, além de grandes fábricas já instaladas na cidade. A cidade de Itu possui boa infraestrutura de lazer e está localizada a apenas duas horas de São Paulo e a menos de uma hora de Campinas e Sorocaba - o que a torna um destino adequado para os finais de semana e férias dos residentes das principais cidades do entorno. Na cidade também são realizados eventos e treinamentos de indústrias e empresas lá instaladas. Estas englobam tanto indústrias de pequeno porte (como empresas locais) quanto de grande porte. Estes eventos distribuem-se ao longo do ano (apesar de sua maior concentração ao seu final) e são realizados, em sua maioria, nos espaços de convenções dos hotéis da cidade. Assim, em vista da diversidade de indicadores econômicos para a região, o referido estudo apresentou indicadores de desempenho econômico positivos e com viés de crescimento futuro, o que justificariam a implantação do Empreendimento na cidade.

    Não obstante a atratividade do contexto mercadológico, importante destacar que o crescimento no número de concorrentes poderá levar a uma maior oferta de quartos, por vezes acompanhada de diminuição das margens de lucro (especialmente em razão da segmentação do mercado hoteleiro de Itu e região). A profissionalização e a consolidação do setor podem resultar em competidores cada vez mais estruturados e com um poder de negociação crescente junto a clientes e fornecedores, o que pode levar o Empreendimento a ter que diminuir preços de diárias, aumentar os seus gastos com divulgações das marcas que opera e aumentar programas de promoção. Se a Operadora Hoteleira não for capaz de responder eficazmente a essa competição crescente, a ocupação do Empreendimento e o preço cobrado pelas diárias podem diminuir, afetando adversamente seus resultados financeiro e operacional. Além disso, o setor imobiliário hoteleiro brasileiro é altamente fragmentado, não existindo barreiras de entrada que restrinjam o ingresso de novos concorrentes neste mercado.
  • 7 - Poderá haver atrasos ou imprevistos na execução das obras do Empreendimento. Poderá haver atrasos ou imprevistos durante a construção do Empreendimento, em razão de diversos fatores, inclusive de força maior, como fenômenos naturais ou atrasos na renovação de licenças administrativas. Caso isso ocorra, sem prejuízo de disposições contratuais compensatórias, haverá atraso no início das atividades hoteleiras no Empreendimento, postergando, da mesma forma, o recebimento da remuneração por parte dos Investidores Adquirentes.
  • 8 - Poderá haver inadimplemento das Incorporadoras na entrega do Empreendimento Poderá haver inadimplemento das Incorporadoras quanto à conclusão das obras e entrega do Empreendimento, de modo que os Investidores Adquirentes poderão ter que se organizar para aportar recursos para conclusão das obras.
  • 9 - Poderá haver inadimplemento das Incorporadoras no contrato de financiamento da construção do Empreendimento A construção do Empreendimento será realizada em parte por meio de recursos próprios e em parte com recursos a serem tomados de um dos agentes do Sistema de Financiamento Imobiliário, de modo que o terreno onde será construído o Empreendimento, bem como acessões e benfeitorias que nele serão erigidas, na oportunidade própria, serão entregues em hipoteca de primeiro grau, alienação fiduciária ou qualquer outra garantia real para assegurar o financiamento a ser tomado em montante não superior ao orçamento da obra. Dentre os bens a serem ofertados em garantia hipotecária, portanto, inclui-se a fração ideal do terreno vinculada à Unidade Autônoma. O inadimplemento por parte das Incorporadoras em quitarem as parcelas do financiamento contratado poderá ensejar a excussão da garantia real pela instituição financeira credora, o que poderá prejudicar a aquisição da Unidade Autônoma Imobiliária pelo Investidor Adquirente.
  • 10 - O Empreendimento pode ser prejudicado por mudanças no mercado hoteleiro brasileiro. Embora o mercado hoteleiro brasileiro venha se expandindo ao longo dos últimos anos, não é possível garantir que essa tendência de crescimento continuará a existir. Alterações das condições econômicas e sociais do País poderão impactar o mercado hoteleiro brasileiro como um todo, prejudicando também o Empreendimento e impactando negativamente na remuneração dos Investidores Adquirentes.
  • 11 - A operação hoteleira demanda a obtenção de licenças e eventuais mudanças na regulação aplicável podem influenciar os resultados do Empreendimento. As atividades dos setores imobiliário e hoteleiro demandam a obtenção de diversas licenças. A Operadora Hoteleira se empenhará em manter a observância das leis, regulamentos e demais atos normativos pertinentes, mas, caso isso não seja possível, estará sujeita à aplicação de sanções previstas em tais atos normativos, o que pode afetar negativamente o Empreendimento. Adicionalmente, não é possível garantir: (i) que novas normas não serão aprovadas ou, se aprovadas, não serão aplicáveis ao Empreendimento; ou (ii) que não ocorrerão alterações ou interpretações mais rígidas das leis e regulamentos existentes. A ocorrência de qualquer dos referidos eventos poderá exigir que o Empreendimento utilize fundos adicionais para cumprir as exigências decorrentes de interpretações ou de novas normas, tornando a sua operação mais custosa. Todos esses fatores podem afetar os custos do Empreendimento e limitar o seu retorno financeiro, impactando negativamente na remuneração dos Investidores Adquirentes.
  • 12 - O valor de mercado dos imóveis no Brasil ou na região do Empreendimento pode sofrer redução, o que levará a uma consequente desvalorização do Empreendimento e das Unidades Autônomas Imobiliárias Hoteleiras. O valor de mercado dos imóveis no Brasil, de forma geral, ou especificamente na região do Empreendimento pode, em razão de circunstâncias variadas, oscilar. Caso ocorra uma desvalorização imobiliária, o valor de mercado do Imóvel em que será realizado o Empreendimento também poderá ser impactado, afetando-se o valor de mercado das Unidades Autônomas Imobiliárias Hoteleiras e do Empreendimento como um todo.
  • 13 - O Empreendimento poderá não dispor de seguro para se proteger contra perdas substanciais, o que pode afetar adversamente os seus resultados. A Operadora Hoteleira deverá, ao início da Fase Operacional, contratar seguro de responsabilidade civil contra danos aos bens de terceiros e danos causados a pessoas na fase operacional do Empreendimento. A Operadora Hoteleira também será responsável por contratar seguro contra incêndio e explosão no montante global igual a 100% do valor necessário para a reconstrução do Empreendimento e a reposição de todos os seus equipamentos e materiais operacionais, além de furto e roubo de bens próprios e dos pertencentes a terceiros. Os custos dos seguros contratados pela Operadora Hoteleira serão considerados Despesas Operacionais do Empreendimento, nos termos do Contrato de Locação.

    A Operadora Hoteleira não pode garantir que suas coberturas estarão sempre disponíveis ou serão sempre suficientes para cobrir eventuais danos decorrentes de tais sinistros e nem podem garantir que, quando do vencimento de suas atuais apólices de seguro, conseguirão renová-las em termos suficientes e favoráveis. Adicionalmente, existem determinados riscos que não são cobertos por suas apólices, tais como, guerra, caso fortuito, força maior ou a interrupção de certas atividades. Ressalta-se que sinistros não cobertos pelas apólices da Incorporadora ou da Operadora Hoteleira, ou a impossibilidade de renovação de apólices de seguro, podem afetar adversamente os negócios ou a condição financeira do Empreendimento.
  • 14 - Os Investidores Adquirentes poderão ter dificuldades em substituir a Operadora Hoteleira nas atividades de hotelaria a serem desenvolvidas no Empreendimento. São motivos para a rescisão antecipada do Contrato de Locação: (i) destruição total do Empreendimento; ou (ii) a violação ou descumprimento de qualquer uma das cláusulas do Contrato de Locação por qualquer parte.

    Caso o Contrato de Locação seja rescindido antecipadamente por quaisquer dos motivos acima previstos, os Investidores Adquirentes poderão ter dificuldades em substituir imediatamente a Operadora Hoteleira por outra locatária ou prestadora de serviços de hotelaria para operar o Empreendimento, sendo que durante o período em que o Empreendimento permanecer vazio os Investidores Adquirentes não farão jus ao recebimento de qualquer remuneração, podendo, inclusive, ser chamados, na qualidade de Condôminos, a aportar recursos adicionais no Empreendimento para cobrir determinados custos de manutenção, impostos e encargos do Empreendimento.
  • 15 - O Contrato de Locação poderá ser rescindido unilateralmente por culpa das Incorporadoras e/ou de um ou mais Investidores Adquirentes. O Contrato de Locação foi firmado tendo como partes a Operadora Hoteleira, na qualidade de locatária, e as Incorporadoras, na qualidade de locadoras, sendo que as Incorporadoras passarão a ser sucedidas pelos Investidores Adquirentes no Contrato de Locação à medida em que estes adquirirem as Unidades Autônomas Imobiliárias Hoteleiras, assumindo assim os Investidores Adquirentes, por consequência, todas as obrigações assumidas pelas Incorporadoras no Contrato de Locação.

    O Contrato de Locação pode ser rescindido por qualquer das partes, por justa causa, em caso de destruição total do Empreendimento, ou ainda no caso de violação ou descumprimento de qualquer uma das cláusulas do Contrato de Locação pela outra parte. Deste modo, a destruição total do Empreendimento, ou ainda a violação ou descumprimento de qualquer uma das cláusulas do Contrato de Locação pelas Incorporadoras ou por um Investidor Adquirente poderá fazer com que a Operadora Hoteleira exerça o seu direito de rescindir o Contrato de Locação antecipadamente, sujeitando as Incorporadoras ou o(s) Investidor(es) Adquirente(s) que deu(deram) causa à rescisão ao pagamento da multa aplicável, na forma prevista no referido Contrato de Locação e no item “Contrato de Locação e Outras Avenças” da Seção Contratos de Investimento Coletivo no Empreendimento” deste Prospecto Resumido. Adicionalmente, caso o Contrato de Locação seja rescindido antecipadamente por quaisquer dos motivos acima previstos, os Investidores Adquirentes poderão ter dificuldades em substituir imediatamente a Operadora Hoteleira por outra locatária ou prestadora de serviços de hotelaria para operar o Empreendimento, sendo que durante o período em que o Empreendimento permanecer vazio os Investidores Adquirentes não farão jus ao recebimento de qualquer remuneração, podendo, inclusive, ser chamados, na qualidade de Condôminos, a aportar recursos adicionais no Empreendimento, para cobrir determinados custos de manutenção, impostos e encargos do Empreendimento.
  • 16 - A rescisão do Certificado de Franquia entre a Operadora Hoteleira e o Grupo Accor pode vir a impedir que o Empreendimento seja explorado sob a marca Novotel. Em caso de rescisão do Contrato de Franquia celebrado entre a Operadora Hoteleira e o Grupo Accor, os Investidores Adquirentes poderão se candidatar à condição de franqueada junto ao Grupo Accor, para que possam continuar a explorar o Empreendimento sob a marca Novotel. No entanto, nesse caso, não há garantia de que os Investidores Adquirentes (ou, eventualmente, uma nova operadora hoteleira) terão o direito de utilizar a referida marca.
  • 17 - A não contratação de mandatária pode vir a tornar dispersa a representação dos interesses dos Investidores Adquirentes junto à Operadora Hoteleira. A mandatária, contratada em algumas operações de condo-hotel, tem por escopo a representação dos investidores perante a operadora hoteleira, o acompanhamento do desempenho e da participação do empreendimento no mercado, podendo fazer parte do seu escopo de atuação, conforme o contratado, outras funções como a avaliação da estrutura de custos do empreendimento, a sugestão de revisão dos orçamentos, a elaboração de ações promocionais e comercias, a vistoria do hotel e de seus sistemas operacionais, revisão da distribuição dos resultados e a comunicação das informações na forma e periodicidade adequadas. Não obstante tenha a Operadora Hoteleira a obrigação de apresentar mensalmente as demonstrações financeiras e operacionais aos investidores, e embora a contratação da mandatária não seja obrigatória e nem crucial para o sucesso da operação, a mandatária assiste os investidores na medida em que concentra as informações e as demandas destes, sendo que a inexistência da figura da mandatária pode fazer com que os interesses dos Investidores Adquirentes não sejam adequadamente direcionados à Operadora Hoteleira.
  • 18 - Existe a possibilidade de o investidor ter que aportar, ainda que indiretamente, recursos adicionais aos necessários para aquisição do investimento. Além dos custos de aquisição do investimento, é sabido que para o exercício de suas atividades, a Operadora Hoteleira necessita de capital de giro. Caso a operação hoteleira tenha resultados negativos, e não havendo saldo de caixa, a Operadora Hoteleira poderá ser instada a realizar aportes de capital que visem cobrir Despesas Operacionais ou outros encargos do Empreendimento que não sejam de responsabilidade da Operadora Hoteleira.

    Nesse caso, a Operadora Hoteleira se tornará credora do Empreendimento, devendo ser ressarcida dos valores aportados, os quais serão abatidos do Resultado Líquido ou dos aluguéis seguintes, conforme o caso. Assim, caso sejam auferidos resultados negativos na forma descrita acima, a remuneração dos Investidores Adquirentes será impactada negativamente, devendo ser reduzida até a quitação do saldo devedor.

    Adicionalmente, durante o prazo estabelecido no Contrato de Locação, e exceto nos casos de inadimplemento ou destruição total do Empreendimento, o locador (assim entendido como a Incorporadora, enquanto ainda houver Unidades Autônomas Imobiliárias Hoteleiras disponíveis para venda, e os Investidores Adquirentes em conjunto) não poderá rescindir antecipadamente o Contrato de Locação, sob pena de arcar com as penalidades detalhadas na seção “Contrato de Locação e Outras Avenças” às fls. 25 deste Prospecto Resumido.
  • 19 - Conflito de interesse relacionado à remuneração da Operadora Hoteleira. A Remuneração da Operadora Hoteleira está vinculada ao Resultado Líquido do Empreendimento, antes de computar aluguel fixo, o IPTU e a Reserva de Reposição. É importante ressaltar que a remuneração da Operadora Hoteleira está atrelada ao Resultado Líquido antes do cômputo do aluguel fixo, IPTU e o fundo de reserva do Empreendimento, de forma que a Operadora Hoteleira receberá remuneração ainda que o Resultado Líquido do Empreendimento seja insuficiente para pagar as referidas despesas. O mesmo não ocorre no caso dos Investidores Adquirentes, cujos rendimentos estão vinculados exclusivamente ao Resultado Líquido positivo acumulado. Deste modo, se houver Resultado Líquido positivo, porém insuficiente para compensar eventual Resultado Líquido negativo acumulado, referente a meses anteriores, não haverá pagamento de qualquer valor a título da parcela variável aos Investidores Adquirentes.
  • 20 - Existe a possibilidade de existir passivos ambientais não conhecidos pelos ofertantes ou advindos do processo de construção do Empreendimento. É possível que, conforme a construção do Empreendimento avance, ou ainda por motivos de força maior, surjam passivos ambientais não previstos neste momento, que possam afetar negativamente o Empreendimento. Dessa forma, passivos ambientais ocultos podem vir a alterar substancialmente o fluxo de retorno previsto no Estudo de Viabilidade e diminuir a taxa de retorno esperada pelos Investidores Adquirentes.
  • 21 - Existe a possibilidade de os ofertantes exercer influência nas assembleias de condôminos caso mantenham em sua propriedade unidades autônomas do Empreendimento. As unidades autônomas hoteleiras serão ofertadas a terceiros, de modo que as Ofertantes, ou qualquer parte a elas relacionadas, não pretendem adquirir as unidades disponibilizadas. Todavia, dependendo da demanda do mercado, é possível que, até o início da operação hoteleira, algumas Unidades Autônomas Imobiliárias não tenham sido alienadas e, portanto, permanecerão em propriedade da Incorporadora. Caso isto ocorra, e a depender do número de unidades em estoque, a Incorporadora poderá exercer influência, ou preponderar, em eventual assembleia de condôminos realizada no período.
  • 22 - No caso de compra financiada de unidades autônomas imobiliárias hoteleiras a taxa interna de retorno - TIR do investimento poderá ser inferior à TIR projetada no Estudo de Viabilidade do Empreendimento. Nos termos do Estudo de Viabilidade do Empreendimento, objeto do Anexo IV ao presente, em suas páginas 30, 117, 119 e 120 do Estudo de Viabilidade, o calculo da TIR considerou dois cenários: (i) desembolso único no lançamento do empreendimento (à vista), e (ii) pagamento de 2/3 do valor em 2016 e 1/3 do valor em 2017 - estima e que o empreendimento opere a partir de junho de 2017. Pode haver alterações no cálculo da TIR a depender da data de aquisição da unidade habitacional, da negociação/parcelamento e tempo de pagamento. Ademais, não foi contemplado cenário com financiamento de saldo a partir da entrega do Empreendimento, sendo que os juros relacionados a esse tipo de financiamento podem afetar e diminuir a TIR mínima apresentada nos cenários apresentados no Estudo de Viabilidade do Empreendimento. Ressalta-se, portanto, que a eventual contratação de financiamento com instituição financeira embute custos ligados a juros não considerados nos cenários, fator que pode afeta o cálculo da TIR por aumentar os custos financeiros da operação.